4 de ago de 2016

Um Jardim de Medicinas

Já faz muito tempo que eu não financio a danada da indústria farmacêutica. Prefiro investir na minha saúde, cuidando de um jardim.



Plantar suas próprias plantas medicinais não tem preço! A farmacinha fica ali te olhando, esperando um recomeço do corpo. Vibrando para que fique tudo em paz contigo, logo.
Plantar é bom, minha gente! 
Você libera tensões internas pelas pontas dos dedos, quando coloca suas mãos em contato com a força de um solo fresco... De quebra, ainda descola umas boas ervas cheirosas e flores comestíveis das mais lindas cores.

Quer mais? Quando organiza canteiro, organiza a cabeça! Coloca as ideias em ordem. Centra mais no coração do que na mente. E para de mentir para si mesmo.

Não tem espaço? Planta no sapato, na xícara, no caixote de feira. Não interessa o tamanho... O plantar não se mede. É de relações de cuidado que estamos falando.

Na foto, as ervas mais presentes no nosso Jardim das Medicinas 
(aquelas que não podem faltar de jeito nenhum):

centelha asiática, erva grossa, arnica, saião, fortuna, babosa, gervão rôxo. 

A questão é a seguinte: embora praticamente não adoeçamos (muito menos saibamos o que é uma dor de cabeça ou um resfriado)... Aqui em casa as plantas medicinais são extremamente úteis em casos de pequenos acidentes:

1. Arnicas, Saiões e Fortunas: para torções, luxações, machucados, picadas de insetos etc, acessamos estes autênticos princípios anti-inflamatórios. Basta colher um punhado destas folhas e aplicar externamente sobre o local afetado durante o sono noturno. No dia seguinte, a cura se estabelece.

2. Babosa: Para cicatrizar cortes e curar queimaduras. Se você utiliza imediatamente, não fica nenhuma marca. Temos sempre babosa fresca plantada no jardim. Basta colher um pedacinho da ponta da folha com uma faca. Ela é bastante resistente ao tempo e pode ser usada durante 1 ou 2 dias. Aplicamos o gel interno da folha sobre o ferimento, várias vezes ao dia. 

3. Gervão rôxo: ofereço para o chá das pessoas que têm problemas de digestão.

Nós já ensinamos a fazer jardins. Olha este link aqui:
http://panelasdecapim.blogspot.com/2013/11/intuindo-uma-horta-jardim-parte-i.html

E, de repente, quando bate uma desorganização interna. Algum desequilíbrio que te exige auxílio exterior... É só recorrer ao povo vegetal que está ali bem quietinho esperando para retribuir o carinho que você ofereceu de bom coração.

O Jardim das Medicinas é mais do que um canteiro. Ele é um mestre na arte de DAR e RECEBER!!!!

E se você não sabe qual planta usar e em qual ocasião?

Então, antes que alguém venha perguntar sobre chás, indicações la, la, la... Já digo que não posso responder. Especialmente, porque não trabalhamos com esse conteúdo de fitoterapia, nem ervas medicinais (o que significa remediar algo). 

A intenção do blog é inspirar de mudanças de estilo de vida para promoção da saúde (o que significa promover saúde ao ponto de não precisar remediar, porque simplesmente deixamos de adoecer). Cultivar um jardim de medicinas é uma atitude para este tipo de mudança. Que tal?
Se ainda não é o seu caso, há diversos livros e publicações excelentes sobre as medicinas das ervas... Meu preferido é o do Harry Lorenzi (Plantas Medicinais do Brasil. Editora Plantarum) pelas ilustrações belíssimas que nos ajudam a identificá-las da maneira mais adequada.

Existem muitas formas de acessar a medicina vegetal... A prática, mais conhecida e difundida na cura física, é a infusão:

Infusão A erva é colocada em uma vasilha com água quente e é tampada. Após descansar certo tempo, côa-se a mistura. O tempo de infusão varia entre 10 e 15 minutos (folhas e flores) ou várias horas em água fervente (raízes).

O fato de tomar chá quente demais desequilibra a temperatura interna do corpo, que gasta muita energia para tentar manter-se e resgatar a temperatura original.

Por isso, AMORnado é sempre a melhor solução. O morno é o retrato do que somos por dentro. É mais AMOR do que calor...

Outra coisa, nunca tome um mesmo chá por mais de 12 a 13 dias seguidos. São os excessos que também nos desequilibram.

Mais formas de acessar 

a medicina vegetal, no plano físico


Cataplasma Preparado obtido com o pó das ervas (obtido por desidratação ou por infusão). Este pó é diluído até formar uma pasta mole. Podem ser aplicados quentes (efeito maturativo) ou mornos (efeito calmante).

Ungüento A erva é socada em um pilão e socada até virar uma pasta para o uso externo.

Tintura Mistura de substâncias vegetais desidratadas e álcool de cereais. A proporção é: para cada 1 parte de matéria vegetal, 3 partes de álcool. Depois de filtradas, as tinturas conservam seu poder por muitos anos.

Maceração A erva é fricionada com as mãos e imersa em água fria por 10 a 24 horas. Pode ser preparada com água, álcool ou azeite (as duas últimas duram mais tempo). Cubra a mistura com um tecido para protegê-la da iluminação. Quanto mais macias as flolhas, menor o tempo de maceração.

Óleos A erva desidratada é misturada em uma proporção de 50 gramas para cada 100 ml de óleo vegetal. Colocar em um esterilizado com tampa. Levar ao sol pleno por 2 a 3 dias.


E se nada disso der certo? 


Lembramos que um corpo congestionado por toxinas, muitas vezes, silencia à regeneração. Nesse caso, há maior dificuldade para responder às plantas medicinais.

Afinal, por que o corpo intoxicado tem dificuldades de resposta às terapias naturais? 

Um corpo adoecido, na verdade, está sinalizando novos caminhos!

Infelizmente, nem todo mundo percebe os sintomas como um alarme. Uma forma que a natureza utiliza para percebermos quando hábitos e estilos de vida estão contribuindo para distanciar-nos do nosso caminho.

A mente torna-se um deserto repetitivo, limitando-se a reproduzir conceitos anteriormente fixados. Nossas almas tornam-se aflitas. O coração, um poço vazio e egoísta.

Tudo isso é resultado da sensação interna de não estar cumprindo a nossa função na natureza!

Se você escolheu uma forma de viver muito diferente daquela que o seu corpo está pedindo, planta medicinal não funciona...

Nada é por acaso nesta vida! rs

O adoecer é, na verdade, um chamado da natureza para que possamos renovar a nossa busca individual.

Agora, venhamos e convenhamos! Não há erva medicinal que possa compactuar com os prejuízos causados por nós mesmos!


É o JARDIM das MEDICINAS ensinando-nos a rever nossos conceitos!!!

Quando isso lhe acontecer,
Agradece, que a graça desce!

Com carinho do fundo do peito,

Aline Chaves
Educadora para Sustentabilidade

Ah! Nós ensinamos mais um pouco sobre organização corporal neste link aqui:

3 comentários :

  1. Linda! Não me canso de ler suas belas palavras. Um abraço cheio de gratidão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luciara!

      Êhhh! Querida!

      Paz e alegria em seus dias!

      Excluir
  2. Tudo maravilhoso Aline! Dicas excelentes!

    ResponderExcluir

Olá!

Escreva aqui o seu comentário sobre a postagem.

Alimentação Viva: um outro estilo de viver

Afinal, o que é Alimentação Viva para você?  Para nós, não se trata de um hábito alimentar, muito menos de uma dieta. A Alimentação...

Jovens postagens

.

O conteúdo deste blog é ofertado aos leitores que desejam aprimorar-se nas práticas da Alimentação Viva e inspirar-se no estilo de vida ecológico.

Agradeço de profundo coração os compartilhamentos que CO-LABORAM para divulgar este trabalho, citando as respectivas fontes e autoria!

Aqui mora um pequeno resumo dos muitos anos dedicados à pesquisa, onde uso o meu próprio corpo como experimento.

Peço gentilmente que não utilizem as nossas publicações para fins comerciais. Só porque não vale à pena promover-se financeiramente às custas do esforço e criatividade alheios.

A Vida vem da Vida!

Com carinho,

Aline Chaves
A moça que planta nas panelas

Licença Creative Commons
Panelas de Capim de Aline Almeida Chaves está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://panelasdecapim.blogspot.com.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O que tem dentro das Panelas de Capim?