20 de nov de 2013

Agricultura Intuitiva: uma horta-jardim - Parte I

Intuímos a Horta-Jardim como um modelo de produção de vida pequena e pertinho de casa, que seja mais livre, dinâmico e biodiverso.
Almeirão, alface, tomate, brócolis.
 Para criá-la, será necessário organizar espaços, sejam eles dentro da nossa mente ou no nosso quintal!!!

O que precisa ficar claro é que antes de antes de externalizar em prática... o mais importante é começar a realizar internamente: a organização do plantio e a forma como você vai escolher se relacionar com ele...

 Um começo para a agricultura intuitiva



O espaço é um pedaço de terra ensolarada!

Tanto faz se sua horta-jardim será em uma fazenda, num quintal ou um conjunto de vasos de plantas e caixotes de feira na varanda.

São necessários:

  • sol; 
  • alimento para solo (galhos secos, material de poda, sobras de vegetais utilizados na culinária);
  • palhas secas para cobertura vegetal;
  • irrigação; e 
  • podas constantes.

Urbano



A Varanda Viva, Jacarepaguá, RJ - 2008 

Rural



Aldeia Velha, RJ - 2009 - 2013

Estamos apresentando um novo olhar sobre aquele modelo tradicional de horta quadradinha, domesticada e cheia de necessidades de intervenção (apara daqui, alimenta com composto que veio de lá, corta dali, coloca matéria orgânica aqui e assim por diante).

Aquilo que batizamos de Horta-Jardim é um modelo dinâmico de vida organizada com tudo o que se precisa para viver... ali mesmo, misturado naquele cantinho.

Ao invés daquele modelo tradicional de horta quadradinha e linear... Preferimos as circulares, organizadas em mandalas vivas. Uma verdadeira SINFONIA de CANTEIROS que interagem uns com os outros e apresentam auto-suficiência em recursos.


Aline desenhando no chão com a enxada

Início da horta esmeralda: maio de 2012
Desenhando em canteiros cobertos com palhas e chão de folhas secas das árvores vizinhas
Jardim de Ervas
Ao invés de plantar apenas o que vai se comer... 
Preferimos seguir o exemplo dos sistemas de abundância.

Vamos plantar para comer, para partilhar, para observar... Vamos enriquecer o sistema! A vida que brota em todo canto é uma festa de energias vivas que se conectam com o alto do céu e com o fundo da terra.

Observe que seus canteiros serão carregados das espécies mais variadas possíveis e você será um guardião de informações vivas... cada espécie com um história diferente para contar.

Então, como vou plantar?

Eu vou plantar como a natureza gosta de se espalhar por aí: agradando a tudo e a todos, com a MAIOR DIVERSIDADE POSSÍVEL em um espacinho pequeno.

Canteiros da Varanda Viva - 2008
Planta tudo misturado: raízes, hortaliças, ervas cheirosas, ervas medicinais, ervas para tomar banho, amendoim, gergelim, girassol e outras flores para agradar a bicharada... Tudo misturado em possibilidades biodiversas! Isso é uma pesquisa pessoal... pois reflete a sensibilidade pelo lugar onde se vive!

Aldeia Velha, RJ
Seremos mais coerentes quando plantarmos para nós, para os pássaros, as abelhas, os zangões e, claro, para alimentar o solo. Trabalhamos, desse modo, com a auto-gestão. 

Não  precisamos buscar do lado de fora os insumos necessários para enriquecer o solo, plantamos o tudo o que precisamos para organizar aquele sistema, de forma continuada.

Com base nestes princípios, manifestamos em nossos gestos a generosidade da natureza. 

Nossa proposta é, portanto, criar um agrossistema, um local de vida e transformação que reflete a forma como os ecossistemas se expressam, ou seja, manifestando a força da criatividade.



Alimentando o agrossistema com os recursos do lugar: no detalhe entre os canteiros,
organização das fileiras de matéria orgânica com folhas secas e materiais de poda.

Abrindo caminhos para sensibilidade intuitiva: por uma nova agricultura


Abra-se para o diálogo sensível e amoroso com o sistema da Horta-Jardim.

Como assim diálogo? O diálogo é uma relação de intimidade que você cria através do envolvimento. Olhar para cada vegetal como se fosse um ser único, especial. É muito mais do que plantar para colher. A idéia é de relacionamento com a vida em expansão. Você observa, conversa, intui e ela te responde amorosamente.

Estamos acostumados com regras tecnicistas, posturas tecnocráticas, gestos mecanizados. Também pudera! Fomos educados para ser desse jeito. Com a passagem da infância, perdemos nossa capacidade intuitiva, sensível, imaginativa e experiencial.

Bem, precisamos compreender que não somos dominadores das paisagens. Somos agentes de cooperação com as forças da natureza, integrados à rede complexa e interligada de vida. Aliás, esta mudança de postura exige o resgate da nossa sensibilidade.

Afinal, se quisermos produzir vida, temos que perguntar para quem entende do assunto, não é mesmo? Acredite, ninguém melhor do que o próprio sistema para te responder.

Agricultura intuitiva: é necessário observar!


Plantas espontâneas são ótimas indicadoras da saúde do solo. As samambaias, os trevos, tiriricas e as formigas saúvas indicam acidez. As lesmas indicam excesso de umidade por irrigação excessiva... O caruru do mato indica que está tudo certo. E por aí vai, comece sua pesquisa!

Aliás, conheça aqui as plantas espontâneas que são comestíveis... Não pense 2 vezes! Elas vão direto para o suco de clorofila.

Eu costumo utilizar radiestesia para conversar com os agrossistemas. Quando quero saber se está bem com aquilo que eu estou oferecendo... pergunto com o uso do pêndulo. Existem formas para o sistema responder qual tipo de adubação deseja receber e durante qual período necessita desses recursos. Mas, esta é uma conversa que fica para outro post, tá legal? (Veja em Rede de Energias Vivas: A Arte de Produção da Vida).

Devemos compreender que insetos e plantas espontâneas não existem ao acaso. Estão cumprindo sua função na natureza. São sintomas de que o solo está doente porque algo está errado. Aprenda com eles. Observe, interaja com os professores! Eles ensinam que, quanto maior a diversidade do plantio, maior saúde e resistência do solo, menos incidência de doenças.

Compostagem em canteiros


Uma boa forma de adubação é a compostagem em canteiros. Este é um sistema inteligente de compostagem em tempo real. Aqui, há o aproveitamento on line da adubação pelo composto. 

Ao invés de organizar a compostagem em recipientes, aqui você cria um sistema integrado à própria horta. A idéia é alimentar a horta com as sobras da cruzinha. Diferente do princípio da compostagem convencional, onde acumulamos matéria para decompô-la e simplificá-la. Na compostagem em canteiros, acumulamos toda a energia de maneira direta no espaço que pretendemos alimentar e enriquecer com matéria orgânica viva.

O buraco no meio das hortaliças... é para a compostagem direta nos canteiros!
Para isso, entre os canteiros haverá um buraco onde os resíduos domésticos serão depositados. O princípio da compostagem é o mesmo: serão colocadas camadas sucessivas de resíduos e folhas secas... até terminar a pilha com o material de folhas secas. O ideal é ter uns dois ou três buracos diferentes na horta. Assim, não sobrecarregará demais o processo de decomposição... Funciona que é uma beleza! 

Lembre-se de ter sempre folhas às mãos para jogar por cima. 

Procedimentos básicos da compostagem doméstica:

· Camada de folhas verdes;

· Camada de folhas secas;

· Sobras de material da Cruzinha;

· Camada de folhas secas;

· E assim sucessivamente...

Em espaços urbanos, o princípio é o mesmo. Sendo que você poderá usar como base um vaso de plantas ou um caixote de feira... Vá fazendo a sobreposição de camadas com resíduos domésticos e folhas secas. Ao encher todo o recipiente inicia o período de descanso. Aguarde que ela vai virar terra no lugar certo! Quando a compostagem estiver pronta, você verá que já criou um canteiro!

Mais detalhes sobre compostagem urbana em canteiros... AQUI.

Compostagem no vaso de plantas
Compostagem em caixotes de feira. Cubra sempre com folhas secas por cima.
O interessante é que os resíduos domésticos estão cheios de informações. Então, é bem possível que você veja nascendo espontâneos tomates, abóboras, maracujás...

Faça a sua pesquisa! No final das contas, você vai perceber o quanto cresceram... Você e a Horta-Jardim!


Todo relacionamento com a natureza é uma via de mão dupla!


A intimidade com a vida vegetal em crescimento desperta em nós um amor e uma vontade de viver magníficos.

Resgatamos muito da nossa capacidade original de reverência para o sagrado que existe em TUDO, pois voltamos a nos relacionar com as energias vivas. 

Quando despertamos nossa confiança no fluxo da vida, abrimos uma flor no centro do nosso coração. Ficamos conscientes do nosso relacionamento interdependente e interdimensional na Grande Teia da Vida. Quando estamos praticando a alimentação viva, essa sensação se amplia muito mais! 

Sentimos que realmente fazemos parte de algo muito maior. Por isso, aceitamos ser inocentes aprendizes em um cosmos governado pela flexibilidade da mudança. Passamos a ser capazes de aceitar as muda-danças, sentir o contato direto com a sobre-natureza que orienta a vida. 

Isso alimenta quem nós somos de verdade. E é por isso que eu gosto tanto de alimentar a Horta-Jardim!!!!

Veja a PARTE II  desta postagem... onde falamos sobre a organização do plantio, a combinação de espécies e o planejamento de uma Horta-Jardim

Inté!

Aline Chaves
Pesquisadora dos ciclos alimentares e alquimista de vegetais vivos

5 comentários :

  1. Aline queridaaaaaaaaaaaa.... amei o post, parabéns por todo empenho, e principalmente por toda sensibilidade que tens com nossa mãe terrena.

    Sou fã do trabalho de vocês

    Super beijo na alma

    ResponderExcluir
  2. Oi Aline,
    seu blog é tudo di bommm!!!
    Sobre o almeirão roxo, você semeou ou conseguiu muda?
    Eu comprei sementes mas não estou tendo sucesso, você tem alguma dica?
    Bjoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cris!

      O almeirão gosta de plantio direto. Colocar semente na terra. Regar e esperar.

      Depois de um tempo nascido e criado... o almeirão produz sementes e começa a aparecer espontâneo no lugar. Esse aí da foto... nasceu sozinho. Semeado no vento!

      Cuidado com a compra de sementes em lojinhas onde ninguém nunca compra NADA. As sementes ficam velhas dentro dos envelopes. Será que foi por isso que seu almeirão rôxo não nasceu?

      beijocas

      Excluir
  3. Respostas
    1. Oi, Luciara!

      Gratidão pelo carinho, querida!!!

      Beijos!!

      Excluir

Olá!

Escreva aqui o seu comentário sobre a postagem.

Alimentação Viva: um outro estilo de viver

Afinal, o que é Alimentação Viva para você?  Para nós, não se trata de um hábito alimentar, muito menos de uma dieta. A Alimentação...

Jovens postagens

.

O conteúdo deste blog é ofertado aos leitores que desejam aprimorar-se nas práticas da Alimentação Viva e inspirar-se no estilo de vida ecológico.

Agradeço de profundo coração os compartilhamentos que CO-LABORAM para divulgar este trabalho, citando as respectivas fontes e autoria!

Aqui mora um pequeno resumo dos muitos anos dedicados à pesquisa, onde uso o meu próprio corpo como experimento.

Peço gentilmente que não utilizem as nossas publicações para fins comerciais. Só porque não vale à pena promover-se financeiramente às custas do esforço e criatividade alheios.

A Vida vem da Vida!

Com carinho,

Aline Chaves
A moça que planta nas panelas

Licença Creative Commons
Panelas de Capim de Aline Almeida Chaves está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://panelasdecapim.blogspot.com.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O que tem dentro das Panelas de Capim?