16 de ago de 2013

Dicas de compostagem urbana

Se você não tem terra para plantar... brotos, ervas aromáticas, pimentas, tomatinhos, folhas para o suco de clorofila.

Saiba que o legal mesmo é poder fazer terra em casa!
A compostagem é um processo de digestão em que a terra pode ficar pronta em 6 meses! 
A compostagem é uma tecnologia que busca semelhança com o processo natural de decomposição ocorrido nas florestas. Com o tempo necessário e a constante sobreposição das folhas secas, o material orgânico que já cumpriu sua função na natureza volta a ser terra.

O mais interessante é que você vai completar seus próprios ciclos domésticos, produzindo suas sementes germinadas, seus brotos, desenvolvendo sua culinária com vitalidade e, por fim, seus resíduos produzirão terra para fazer novos brotos. Com isso, criamos em nós a percepção sistêmica de que fazemos parte da grande roda da vida, onde os ciclos se movem... para desfazer o pensamento linear que está embutido em nossas ações do dia-a-dia: COMPRAS-GELADEIRA-COZIMENTO-LIXO.

ATENÇÃO: Estas compostagens são para resíduos vegetais da cruzinha, ou seja, cascas e sobras de vegetais crus. Não vale a pena colocar outras coisas, pois desorganiza o sistema, ok? A natureza só gosta de comida crua.

Há alguns processos diferentes de compostagem das sobras alimentares...

1.Compostagem Aberta

Esta é uma compostagem para quem tem bastante espaço. Pode ser uma varanda grande ou um quintal urbano, com terra ou cimentado, não importa.

É fundamental que você encontre uma fonte de palhas secas, pois terá que tê-las sempre às mãos. Pode ser a grama cortada de um vizinho, de um condomínio ou de um clube. Você descobrirá! As palhas secas, além de proteger o composto, evitam mau cheiro.

Para criar este sistema de compostagem são necessárias três armações diferentes, nas quais serão colocadas as sobras de resíduos da cruzinha viva. São possíveis baldes grandes de plástico, galões de 50 litros ou vasos de plantas ou o que mais você encontrar oportunamente, depende da sua realidade.

Quem está no campo, pode organizar baias de compostagem com tijolos de barro, madeiras, pallets...

É importante que o material fique protegido por telhado para proteção da chuva, sob pena de encharcar o composto.

Qual a finalidade de serem três armações?
A dinâmica é a seguinte: enquanto uma armação recebe o composto, a segunda descansa, a terceira já descansou, assim sucessivamente. As funções das armações trocam conforme o tempo da decomposição e o uso do material compostado.

Exemplo de compostagem urbana na Varanda

Terra ficando pronta: 4 meses...
 Atenção: para quem não tem um quintal com terra, lembre-se que a compostagem solta um líquido percolado chamado chorume. Por isso, é bom ter uma proteção por baixo que funcione como um suporte. Serve aquele prato que coloca em baixo dos vasos de planta. Encha-o com terra!

Em qualquer das ocasiões, urbana ou rural, lembre-se de ter sempre folhas à mão para jogar por cima.

Procedimentos básicos da compostagem doméstica:
·       Camada de folhas verdes;
·       Camada de folhas secas;
·       Sobras de material da Cruzinha;
·       Camada de folhas secas;
·       E assim sucessivamente...

Na minha experiência pessoal, não há cálculo matemático para dizer em quanto tempo a terra fica pronta. Quer saber? Tudo depende. Depende de como é o ecossistema da sua casa. Na cidade, minha compostagem já demorou 6 meses. Na roça, demora de 3 a 4 meses. Então, depende da umidade do lugar e do nível de organização dos microorganismos vivos que moram nele... Aceite e aguarde que ela vem!!! Se quiser acelerar o tempo, revolva o composto. 

A dinâmica é a seguinte: enquanto uma armação recebe o composto, a segunda descansa, a terceira já descansou, assim sucessivamente.

Na minha experiência pessoal, não há cálculo matemático para dizer em quanto tempo a terra fica pronta. Quer saber? Tudo depende. Depende de como é o ecossistema da sua casa. Na cidade, minha compostagem já demorou 6 meses. Na roça, demora de 3 a 4 meses. Então, depende da umidade do lugar e do nível de organização dos microorganismos vivos que moram nele... Aceite e aguarde que ela vem!!! Se quiser acelerar o tempo, revolva o composto.

Pode ser realizada no quintal, com três armações de pallets, com três galões de 50 litros ou o que mais você encontrar oportunamente. O material deve ficar sob telhado para proteção da chuva, sob pena de encharcar o composto.

2.Boca da Terra

Esta é uma compostagem para quem não tem espaço, mas tem terra, ainda que seja pouca. Pode ser um canteirinho no canto do quintal ou alguns vasos de planta espalhados pela varanda ou dentro de casa.

Compostagem dentro do vaso de plantas: berçário feliz! Chuchu, abóbora, melão, palmas, batata doce e mudas de manga e limão galego.
A vantagem é que por ser uma compostagem fechada não causa odores, nem atrai a bicharada... Aliás, ninguém nem adivinha que ali dentro tem uma compostagem. É uma discrição sem tamanho!

Consiga latas com tampa. As latas podem ser grandes ou pequenas, depende da sua realidade. Se for uma lata de tinta, a tampa pode ser uma lajota. Todavia, seu fundo deve ser aberto para haver contato com a terra, a qual vai organicamente compostando o material oferecido.

Abra o fundo da lata com um abridor de latas. Coloque o fundo aberto da lata em contato com a terra. 

Adicione as sobras da cruzinha e tampe. 

 É necessário tampar sempre após colocar os resíduos.

 Com o passar do tempo, vá adicionando novos resíduos domésticos até não caber mais. Quando isso acontecer, deixe descansar com a tampa fechada. Não precisa colocar folhas secas. É só esperar que a Boca da Terra come e faz a digestão, rs.

Aqui, ao invés de colher a terra... você alimentará o vaso. Não sobra nada para contar história.

As plantas vão amar!!!!

3. Compostagem em Canteiros 

Este é um sistema inteligente de compostagem em tempo real onde há criação de terra on line.


Ao invés de organizar a compostagem em recipientes, aqui você cria um novo canteiro, a partir da disposição de material compostável. Na compostagem em canteiros, acumulamos toda a energia de maneira direta no espaço que pretendemos alimentar e enriquecer com matéria orgânica viva. Você poderá usar como base um vaso de plantas ou um caixote de feira... 


Vá fazendo a sobreposição de camadas com resíduos domésticos e folhas secas.
O princípio é o mesmo da compostagem aberta: serão colocadas camadas sucessivas de resíduos e folhas secas... até terminar a pilha com o material de folhas secas. Portanto, lembre-se de tê-las sempre às mãos para jogar por cima.

Procedimentos básicos da compostagem doméstica:
·       Camada de folhas verdes;
·       Camada de folhas secas;
·       Sobras de material da Cruzinha;
·       Camada de folhas secas;
·       E assim sucessivamente...

Ao encher todo o recipiente inicia o período de descanso. Aguarde que ela vai virar terra no lugar certo! 
Quando a compostagem estiver pronta, você verá que já criou um canteiro!  Funciona que é uma beleza!

O interessante é que os resíduos domésticos estão cheios de informações. Então, é bem possível que você veja nascendo espontâneos tomates, abóboras, maracujás, mamão...

Boas Terras para vocês!

com carinho,
Aline Chaves e as Panelas de Capim

6 comentários :

  1. Amei! Tenho alguns vasos em casa com algumas plantinhas e simplesmente estava colocando os restos na terra. De vez em quando vou lá e dou umas mexidas.....tbm está dando resultado...até sou surpreendida com uma nova plantinha...mas amei a boca da terra.....vou providenciar as latinhas. Parabéns! Seu estilo de vida é fantástico! bjs Cris

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso! Uma dúvida é se posso usar caixote de plástico no lugar das cestas de feira, para a compostagem? E depois da camada de folhas secas (a última) eu adiciono os restos da cruzinha ou folha verde e mais folha seca? A folha verde é só na primeira camada?
    Grata!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Angélica!

      Sim, claro. Os caixotes de plástico são até mais resistentes.

      Isso! Perfeitamente como descreve. A folha verde é só no começo de todo o processo!

      beijão

      Excluir
  3. Poxa, muito legal! Eu tenho uma composteira há um ano aqui em casa e nem sabia que esse resto virava terra! rs... Eu fiz mais pra dar um fim ecológico para os restos orgânicos que produzo bastante aqui em casa, e usar o chorume de vez em qnd...fiz com duas latas de tinta, uma em cima com furinhos no fundo e outra embaixo apenas para recolher o chorume. Moro num apê com uma varanda grande. Minha dúvida é, preciso mesmo ter 3 recipientes para deixar 2 descançando? Enquanto descançam, n podem de jeito nenhum receber novas sobras orgânicas? Devo tampar a lata de cima desse sistema que tenho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Samsim! Tudo bom?

      A quantidade de latas depende do seu ritmo de produção de composto. Se for bastante, duas latas é interessante.
      Afinal, tem sempre uma que recebe e outras que descansam.

      Não, enquanto descansam não podem receber de jeito nenhum. Senão, interrompe o ciclo de fermentação e decomposição, entende?

      A finalidade de ter duas latas descansando é que uma delas, com certeza, vai ficar pronta mais rápido. Assim, será a próxima da vez, ao assumir a recepção de novos compostos.

      Tampar a lata é só para evitar insetos ou seres indesejados. Se não está te atrapalhando, deixa aberto!

      beijos

      Excluir

Olá!

Escreva aqui o seu comentário sobre a postagem.

Alimentação Viva: um outro estilo de viver

Afinal, o que é Alimentação Viva para você?  Para nós, não se trata de um hábito alimentar, muito menos de uma dieta. A Alimentação...

Jovens postagens

.

O conteúdo deste blog é ofertado aos leitores que desejam aprimorar-se nas práticas da Alimentação Viva e inspirar-se no estilo de vida ecológico.

Agradeço de profundo coração os compartilhamentos que CO-LABORAM para divulgar este trabalho, citando as respectivas fontes e autoria!

Aqui mora um pequeno resumo dos muitos anos dedicados à pesquisa, onde uso o meu próprio corpo como experimento.

Peço gentilmente que não utilizem as nossas publicações para fins comerciais. Só porque não vale à pena promover-se financeiramente às custas do esforço e criatividade alheios.

A Vida vem da Vida!

Com carinho,

Aline Chaves
A moça que planta nas panelas

Licença Creative Commons
Panelas de Capim de Aline Almeida Chaves está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://panelasdecapim.blogspot.com.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O que tem dentro das Panelas de Capim?