3 de ago de 2013

A arte de colher sol...

Na verdade, precisamos ter mais cultura para compreender a agricultura. E esta cultura não é referente ao acúmulo de conhecimentos...

Precisamos da cultura do convívio com tudo aquilo que, de fato, é real!

A experiência de viver o estilo de vida com a Alimentação Viva me fez transcender a necessidade de consumir alimentos. Mais que ter acesso aos vegetais comestíveis... decidi conhecer os ciclos alimentares e conviver com as forças da natureza. 



Quando aprendi a plantar minha própria comida, um novo mundo se abriu para mim!!!!!!!!!!

Com o passar dos anos, fui observando a mudança nos meus hábitos, nos meus sentidos, nas minhas aspirações pessoais. Foi a partir daí que percebi o chamado do meu coração: escolhi ser agricultora! (isso é uma grande revolução para uma pessoa que trocou a caneta pela enxada e o facão... afinal de contas, me formei em Direito e fiz meu registro de identidade profissional na Ordem dos Advogados do Brasil, rs).

Hoje, a civilização urbano industrial desenvolve uma cultura onde seres humanos se relacionam quase que exclusivamente com outros humanos e com as tecnologias criadas por eles próprios. Ainda precisamos daquilo que não foi criado por nós e não faz parte de nós. É uma fatalidade, considerada nossa ancestralidade ter sido criada na riqueza da vida simples e interação com as formas da natureza, como expressão de viver.

De fato, existe um mistério a ser revelado na prática da agricultura. Há milhares de anos, camponeses trabalham como parte da natureza. Identificam espécies, compreendem suas funções no sistema, observam as relações entre os animais e os vegetais, preservam a sabedoria ancestral sobre a medicina das plantas, compreendem os sinais do tempo e organizam a vida a partir das mudanças nas estações. Convivem com a diversidade e aprendem a saboreá-la em sua mesa.

Há um provérbio chinês que fala sobre agricultura como a arte de colher sol. E eu acho isso o máximo!!! Sem ele não haveriam as cores...

Agricultores são seres privilegiados pela sabedoria na arte de colher o sol...

As plantas transformam a energia que chega do sol em matéria orgânica, através da fotossíntese, gerando energia para todos os seres vivos. Todo vegetal otimiza a transformação da energia do sol em vida e diversidade em capacidade de aproveitamento energético.

Sendo assim, colher uma fruta é colher o sol. Comer uma fruta... é saborear a luz em seu estado sólido!



A principal razão de ser da agricultura é a vida, não apenas os alimentos. Os espaços rurais são mais do que produtores de alimentos, são lugares para as famílias, integrados às comunidades, sua cultura, suas histórias e relacionamentos.

Pessoas do campo são pessoas com história para contar Refletem e reajustam suas estratégias para lidar com a incerteza e a instabilidade, se adaptam. Convivem com ambientes e trabalham com a capacidade de observar mudanças, ampliar a diversificação e sentir o contato direto com a natureza.



Agricultura familiar é um estilo de vida, uma forma de estar na terra, de conviver e se relacionar com a natureza, movimentar o corpo, estar atento aos ciclos do tempo, manter o compromisso de promover a vida em toda a parte. 



É envolver toda a família e conviver com os companheiros das outras famílias.

Melina, Aline e Victor plantando alho e beterraba
Como já dizia Paulo Freire: “o diálogo, a leitura do mundo e a reflexão sobre a vida são os caminhos para a liberdade”.


Atualmente, é mais comum os alimentos serem fabricados. Empreendedores comerciais transformaram a cultura e o trabalho humano da roça em produtos químicos e maquinários de suporte para agroindústria. Esta maquinação se estendeu à diversos fatores da vida!

Hoje, nossa maior função é ampliar a busca para renovação de contato com o mundo sensorial!

Desbravar quem somos nós! Re-descobrir tudo aquilo que nos fortalece, ao invés de enfraquecer.

Sem o ar das florestas, nem a magia das cores, a gravidez da terra fértil e a força dos cursos d´água, "não conseguiremos nos afastar das nossas tecnologias para podermos avaliar suas limitações." 
(Ângela Hilmi)

Quando soubermos, re-inventaremos, assim, uma nova história!

com carinho,

Aline Chaves
Pequisadora dos ciclos alimentares e alquimista de vegetais vivos

Para quem tem interesse de se aprofundar no tema: 


Transição na Cultura Agrícola. Uma lógica distinta. Angela Hilmi. Aksel Narestad Editor. Editora The More and Better Network.

2 comentários :

  1. Gosto muito mesmo do que escreve Aline... sou sua fã... pode ter a certeza disso.
    "Agricultores são seres privilegiados pela sabedoria na arte de colher o sol..." ....lindo!
    Beijos felizes
    Astrid Annabelle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi querida Astrid!!!

      Assim eu fico tímida... rs Imagina só!!

      Isso é delicadeza de quem navega pelo Infinito!!!

      Felicidade no seu caminho...

      Que a PAZ esteja contigo!

      Excluir

Olá!

Escreva aqui o seu comentário sobre a postagem.

Alimentação Viva: um outro estilo de viver

Afinal, o que é Alimentação Viva para você?  Para nós, não se trata de um hábito alimentar, muito menos de uma dieta. A Alimentação...

Jovens postagens

.

O conteúdo deste blog é ofertado aos leitores que desejam aprimorar-se nas práticas da Alimentação Viva e inspirar-se no estilo de vida ecológico.

Agradeço de profundo coração os compartilhamentos que CO-LABORAM para divulgar este trabalho, citando as respectivas fontes e autoria!

Aqui mora um pequeno resumo dos muitos anos dedicados à pesquisa, onde uso o meu próprio corpo como experimento.

Peço gentilmente que não utilizem as nossas publicações para fins comerciais. Só porque não vale à pena promover-se financeiramente às custas do esforço e criatividade alheios.

A Vida vem da Vida!

Com carinho,

Aline Chaves
A moça que planta nas panelas

Licença Creative Commons
Panelas de Capim de Aline Almeida Chaves está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://panelasdecapim.blogspot.com.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O que tem dentro das Panelas de Capim?